A fauna da Patagônia

A fauna na Patagônia é riquíssima. Durante nossas viagens pelas estradas com frequência víamos animais diferentes e raros para nós brasileiros.

Nem sempre foi possível tirar fotos dos animais. Muitas vezes estavam longe e outras vezes fugiam apressados com medo de nossa presença.

Baleia Franca Austral

Baleia Franca Austral

 

Guanacos

Guanacos

Guanacos

Guanacos

 

Pinguins de Magalhães

Cavalos selvagens

Cavalos selvagens

Cavalos selvagens

Cavalos selvagens

 

Lebre da Patagônia

Flamingo

Anúncios

9º dia – Puerto Piramides na Peninsula de Valdez, Argentina

Por Alekrd

Seguindo a imendação da noite anterior, fiz parte da primeira pernadinha noturna, uns 300km, até entrar na Peninsula. Ahhh, dica aos viajantes: tomem cuidado com a estrada indo a sul depois de Sant Antonio Oeste, ela esta meio cavada e para carros altos como o nosso faz ele dar umas rabetadas, não dá pra passar dos 100km a noite… Pois bem, quebramos ali a esquerda e entramos na Peninsula. Passei o volante de ouro para o Ale e ai comecaram a aparecer as indicaçoes de animais, que mais parecia um catálogo de livro de biologia, e logo mais comecamos a ver eles em carne e osso!!! Muitos coelhos, tatus e a aclamada Llama!!! haha, o Toni vinha brincando com todos os animais que viamos dizendo que eram Llamas e ai aqui ela aparece!! Increible!! Mas não era uma autentica Llama, é uma especie parecida chamada Guanaco. Muitas fotos, seguimos para dentro da Peninsula. Ela é enorme!! Puerto Piramides que é a cidade do início da Peninsula fica logo depois do istmo esta a 80 km depois que se vira ali da ruta 3!!!

Chegamos no albergue as 4 da matina, porém os caras do albergue não nos atenderam legal, resolvemos dormir na Pajero. Acordamos todos tortos e fomos procurar um lugar pra ficar.

A cidade tem duas ruas, uma principal e outra não tão principal, e só. Perguntamos pra uma tiazinha lá dicas, e ela muito simpática nos deu não só dicas de hospedagens como dicas para dos lugares e todos. Muy amable!!

Encontramos os caras devolta no direcion turistica e decidimos passar pelo camping, pois o dinheiro começou a nos preocupar.

Fomos averiguar o camping. AR$ 10,00 pesos!! incrivel, uma olhada aqui e lá e decidimos ficar lá mesmo. Indecisão para achar o melhor lugar, e montamos a barraca.

Logo depois, fomos ver os precos das avistajes de ballenas – em espanhol argentino, se diz vagchena -. A micro cidade tem uns 3 escritorios de avistamentos, e todas cobram o mesmo preco. A indecisão bateu na hora de contratar pelo rumor de que já não se estavam avistando baleias por la devido a estaçao, que estava terminando. O ale estava decido a ir, enquanto nós, considerando-se o preço de AR$ 100,00, estavamos meio cabreros. Um cafezito ai e umas perguntas por la e decidimos ir. Fomos em um barco cheio de simpaticos velhinhos em excursão, todos argentinos, e um casal de Brasileños do RS.

Em 15 minutos, tinha um barco esperando por nós. Era um barco em um esquema meio lancha que vinha na praia seca em cima de um suporte que entrava na agua. Subimos, o suporte rebocado por um tratorzão levou agente até o mar e fomos. Sentia-se uma tensão no ar na expectativa de ver as baleias, acho que ninguem estava botando muita fé que iriamos ver alguma coisa. E a tensão aumetava. Passou-se 20 minutos e nada, 30 minutos e nada. Já se via a expressão de tristeza na velharada e ai, surpresa!! O maluco lá aponta para uma família de Ballenas.

São bichos incriveis!!! São enormes, 50 toneladas. Elas passavam debaixo do barco, ficavam do lado, levantavam a rabeta. Me senti em um programa do discovery channel!! Muitas fotos, e o ponto alto, quando a enorme mãe das baleias chegou bem do lado do barco e soltou um jato de agua em cima de toda a galera.

Ficamos no meio delas por uns 30 minutos e voltamos. O nosso prefeito Roberts voltou discursando para uma platéia de velhinhos que se amontoaram do lado dele encantados com seu portugues e a história de nossa viagem. Hahaha!!

Chegamos em terra firme, e fomos comer. Caro. O unico lugar para comer oferecia uma milanesa miadinha por AR$ 25,00, e cervejas de AR$ 10,00!!! Depois, fomos dar um role na city pra comprar souveniers e tambem planejar os próximos passos. Entre um chaveco do ale na atendente da lojinha e uns refris, decidimos sair no dia seguinte em direçao a Punta Tombo e não entrar na peninsula, pois as atrações para esse dia eram os pinguins que era melhor ver em Punta Tombo e as orcas que tinham por la, pelo que ouvimos falar, estavam dificil de ser ver.

Logo depois fomos a la playa e ela tinha quase sumido!! A maré aqui tem uma variação muito grande, a praia tinha encurtada uns 300mts, baixado em uns 10m de altura. La ficamos curtindo a paisagem impar dese lugar, mar em azul super saturado com a terra marrom ao fundo.

Passamos numa vendinha na volta pra comprar mantimentos pra queimar os knojos que trouxemos ao gosto do nosso chef Roberts. No camping, comecamos a tirar as coisas pra cozinhar, desmontar o lay-out da bagagem e tomar um banho. Os brasucas que tinhamos conhecido na avistaje a las ballenas Tiago e Glaucia chegaram e montaram a barraca la perto e compartimos nossa janta.

Jantar regado a Jack do nossos amigos, platos do Roberts e trocas de ideias sobre a trip se extendeu ai pelo por do sol as 11:00 da noite.

Banho tomado, fomos averiguar a night dessa mega city. Só tinha um barzinho aberto e paramos la pra tomar uma cerveza e tambem um drink argentino, o gancia, que ninguem curtiu muito.

Volta para o camping e noite debaixo de tendas.

8º dia – Mar del Plata à Peninsula de Valdez

Por Roberts

Seguindo rigorosamente o roteiro ajustado no dia anterior, acordamos bem cedo, cerca de 5:30 da manhã. Eu, Robert`s, resolvi, mesmo com o frio que fazia em Mar Del Plata, tomar um belo e demorado banho. Afinal de contas, não saberia quando iria ter novamente esse luxo, rs.

Saímos de Mar Del Plata muito mais tarde do planejado, mas valeu a pena. Logo de manhã, quando fomos tomar café no Hotel, encontramos com a simpática Senhora que conhecemos e fizemos amizade no dia anterior. Pessoa muito amável e educada nos desejou sorte e boa viagem e, nós, em contra partida, a presenteamos com um cafézinho tipicamente brasileiro.

Agora sim, seguindo o planejado, viagem, viagem e mais viagem, isto em apenas uma só reta! Acreditem, quilometros e quilometros em linha reta.

Do friozinho da manhã de Mar Del Plata só sobrou a saudades, pois, ao chegar a cidade de Bahia Blanca vimos o ponteiro dos termometros ultrapassarem a barreira dos 40º, isso mesmo, 40 graus!!! Ufa, que calor…

Procuramos um lugar para ficar em Bahia Blanca, mas como o calor que fazia naquela cidade nossa busca logo foi vencida por uma loja de conveniência de um dos postos de combustível da Petrobrás. Lugar bem agradável devido ao ar condicionado, fizemos da citada loja um verdadeiro centro de reuniões para rediscutir a rota e os caminhos. Lá encontramos uma gentil Policial, a qual praticamente passou a fazer parte integrante de nosso grupo, dando, inclusive, opiniões sobre a rota.

Devido ao insuportável calor que fazia em Bahia Blanca, decidimos partir e adiantar a viagem. Seguimos até a peculiar cidade de San Antonio Oeste para jantar e, novamente, seguir rumo ao destino dessa trip. Nesse trajeto, vale destacar a linda vista do horizonte (foto abaixo). Que lugar! Confesso, ficamos pasmos com a vista parecida com um deserto. Bom, a foto abaixo descreve a minha sensação.
Chegamos a pequena cidade de San Antonio Oeste às 10 horas da noite, e pasmem, AINDA COM SOL (é justamente o horário que escrevo esse relato, agora). Com uma fome gigantesca, fomos a procura do único restaurante da cidade. Restaurante muito agradável, comemos um pescado fantástico, que ouso dizer ser o melhor que já provei.