Somos todos iguais

Esta viagem à Patagônia e Tierra del Fuego me fez refletir um pouco mais sobre as pessoas. A viagem foi de carro, então, em algumas horas o cenário era outro, a moeda, a língua, as feições das pessoas eram outras. Um mundo bem diferente.

Entretanto, ao conversar com as pessoas, observá-las como elas tratam umas com as outras, como se relacionam com você, o que elas pensam da vida, fica cada vez mais perceptível a semelhança que possuímos.

Nesta viagem nos relacionamos não somente com pessoas nativas, mas visitantes de outros países. Vimos pessoas de diferentes raças, religiões e culturas.

Mas cada vez mais estava ficando notório a similitude entre eles. No fundo todos somos iguais.

Religiões, raças, países querem sempre se diferenciarem umas das outras. E ao se diferenciarem estão intrinsecamente dizendo: “Sou melhor do que todos! Prefiro te desprezar para me sentir maior”. Numa equivocada arrogância.

Isso é errado. Cada país, cada povo tem algo a acrescentar. Saber observar o que você pode aprender com outros é algo que faz você crescer.

No discurso de Obama observamos ele dizer que a América é formada por cristãos e muçulmanos, judeus, hindus e ateus, e os EUA são moldados por todas as culturas e línguas.

Fantástico.

Todos sabem disso, mas nunca é demais relembrar. 

Anúncios