24º dia – subida ao Vulcão Villarrica em Pucón, Chile

Nos encontramos as 7 da manhã na agência de aventuras Araucana. Para nossa surpresa, dos 12 integrantes do grupo 80% eram brasileiros. Um do México, um argentino e demais chilenos.

Recebemos nosso equipamento:

– mochila

– crampon (ganchos para se colocar nas botas para andar no gelo)

– luvas

– balaclava

– anorak contra o vento

– botas

– polainas

– proteção para fazer o “ski-bunda”

– piolet (uma espécie de machadinha)

Além disso levamos nossa equipagem pessoal:

– 2 litros de água

– sanduíches, chocolates

– roupas de frio

– calças para caminhada

– óculos de sol

– protetor solar e labial

– meias grossas

Ia levar mais agasalho, mas fui informado de que não precisaria de agasalhos pesados, o tempo estaria bom.

Fomos num caminhão que nos levou até um teleférico do vulcão, que durante o inverno funciona uma estação de ski. O teleférico fica desativado, então tivemos que caminhar.

A medida que estávamos chegando perto do vulcão íamos tendo a verdadeira dimensão do Villarrica. É enorme. Possui 2847 metros de altura.

Começamos a subir a primeira parte, que coincide com o final do teleférico. É uma parte sem neve, mas ingreme e com o terreno bem irregular. Foram uns 45 minutos até a primeira parada e já deu para sentir a dificuldade que seria para subir. O coração já dispara e você começa a sentir calor, apesar do frio e do vento. Fui com um moleton e uma camiseta por baixo e estava com calor.

Depois disso começamos a subir pela neve. Mas antes disso nosso guia nos dá as instruções: “Andar na neve pode ser perigoso. Se você escorregar, vai começar a deslizar pela neve. Por isso é muito importante não largar o piolet. Segurando com as duas mão use-o para brecar quando estiver deslizando.”

Era tudo o que todo mundo queria saber… Se a intenção era criar pânico, conseguiu.

Podemos dizer que é mais fácil caminhar na neve. Com as caminhadas formam-se escadas, o que facilita a caminhada. Mas nem tirei muito os olhos dos pés com medo de deslizar. Há horas em que você nem sente mais as pernas. Há horas que você acha que irá desmaiar. Ás vezes, uma paradinha de 10 segundos já faz muita diferença.

No total são 3 paradas de 15 minutos e alguns de 2 minutos. A medida que você caminha e olha para trás você em a verdadeira noção de quanto já caminhou. Depois de uma hora e meia caminhando já é quase impossível avistar o caminhão que viemos.

Como fazia frio e ventava muito nosso guia nos instruiu a não fazermos paradas longas porque os músculos da perna logo se esfriam fazendo a trekking ainda mais difícil.

Usamos bastante o piolet para nos apoiarmos na neve e usarmos como um terceiro braço. Há trechos em que a angulação da subida chega a 60 graus de inclinação.

Enfim, 5 horas depois chegamos ao cume do Vulcão Villarrica.

Todos que chegam lá em cima ficam extasiados. Em silêncio por alguns momentos. Talvez refletindo sobre o que acabaram de fazer. Uma sensação de conquista.

É bem alto e o visual 360º lá de cima impressiona. Você avistará outros vulcões em volta. Você avistará também os rastros de rios de lava formados em 1984 quando houve a última erupção. Infelizmente não está sendo possível avistar lava, mas há 2 anos atrás era possível. Você pode escutar as lavas. O barulho se parece com um trovão. Fiquei imaginando o barulho que o vulcão deve fazer quando está ativo. O que incomoda muito é o cheiro de enxofre que queima a garganta e olhos como se fosse gás lacrimogênio.

A descida é outra aventura. São mais ou menos 2 horas de descida. Como a descida é mais dificil devido a angulação do vulcão há uma forma mais fácil e divertida. É o famoso Ski bunda. Toda a parte de neve que subimos é possível descer deslizando. Mochila nas costas e piolet nas mãos e começamos a deslizar. A sensação é de estar num Bobsled. Em alguns momentos é bem rápido e chegamos a sair do chão. O segredo para ir rápido é deixar as pernas juntas e no ar. No final você fica com neve até naquele lugar e os pés cheios de água. A descida pela parte de terra é mais complicada. Descemos por uma parte de terra fofa e íngreme fazendo a descida penosa também.

Ficamos esgotados. Os músculos fatigados e doloridos. Mas a sensação é muito boa. Não dá para acreditar que subimos aquilo tudo. Valeu muito a pena.

Video promocional de um DVD que estava no hostel. Acabei ripando e jogando no Youtube.

Anúncios

16 Respostas

  1. Parabéns

    Eu tentei subir no Vulcão em abril passado com a agência Ronco Track e não gostei muito dos guias onde eles deixaram mais da metade do grupo na última parte das rochas vulcânicas alegando que havia risco de morte de lá até o topo…no final cheguei a conclusão que eles queriam terminar o expediente deles mais cedo e acabei tendo muito azar naquele dia pois por 200 metros não cheguei ao topo.
    Essa agência Araucana vocês recomendam?? Se vcs tiverem um telefone, endereço ou simplesmente uma referência do local eu agradeço.

    Um abraço e boa viagem

    Rogério
    sventkauskas@yahoo.com

  2. Caraca!!! q foda!!
    Fong…. nao ficou doente nao?? uaheuaeuh

  3. MARAVILHOSAS AS FOTOS…………… FIQUEI ENCANTADA COM TANTA BELEZA ,,SÓ AUMENTOU MINHA VONTADE D IR LÁ TAMBÉM;;;;;;;;;;;;;;;;;

  4. Obrigado Ursula!
    Vai lá sim, não irá se arrepender.
    ;)

  5. Muito legal sua descrição. Dá bem a dimensão da dificuldade da subida e a recompensa que é chegar ao topo. É tudo muito grandioso e a sensação de conquista é única e inigualável.
    Estive lá esta semana (3/1/10) e fiz a subida com a Agência Araucana. Eles são muito bons e os guias extremamente responsáveis. O dono é o Rodrigo (que gosta muito dos brasileiros).
    Parabéns.

  6. Olá, garotos!!!
    Estava na internet e, por acaso, acabei encontrando o site de vocês. Achei tão bacana que eu e meu marido resolvemos ir também!!!! Agora em março, na segunda quinzena, estamos planejando um passeio para o Chile e Argentina. Pucón e a subida ao vulcão é a “menina-dos-olhos” da nossa viagem.
    Obrigada pelas dicas!!!
    Não temos experiência com este tipo de subida, será que vamos ter muita dificuldade?

  7. Olá!!

    Que bom que se empolgou com o site!! É bem contagiante mesmo!

    Bom, eu fui sem preparo nenhum e consegui, mas acho bom fazer umas caminhadas para entrar no espírito, é uma caminhada e tanto!

    E, não sei se postamos isso no blog, mas um dos lugares que mais gostei de ir é ainda no brasil, os canions de Itaimbézinho! se puder ir ta ai uma outra dica!

    Suerte!

  8. Olá!!!

    Acabei de achar esse site no google e amei!!! Parabéns pela viagem!!! As fotos estão impressionantes e a descrição de tudo que fizeram, incrível!!!!!!! Mto mto legal, fiquei empolgada!!!!!!!!!!!!!!!!!!
    Abraços.

  9. Oi Nadja,
    Que ótimo que tenha gostado. Nossa recomendação: se puder faça essa viagem. Garanto que ao vivo é muito melhor.
    abs
    Alex

  10. Senasacional! Belíssimas fotos e que puta aventura linda.
    Não consegui esquiar nem subir a montanha quando estive lá, em 2008. Tava entediado em Santiago, decepcionado com Viña del Mar e Valparaiso, quando pirei e encontrei Pucón numa pesquisa. Abandonei hotel pago e me mandei de busão pra Pucón. Foi a melhor coisa que fiz. A cidade é linda, fantástica. Voltarei em breve pra fazer essa subida, assim espero. Só não sei que preço é esse que você citou: 150 reais pelo aluguel das roupas, equipamento e o passeio? Só se te cobraram isso pra publicar e atrair gente. Sinistro. De graça.

  11. Todos deveriam conhecer essa maravilha!

  12. Olá Alex!

    Parabéns… o relato foi ótimo e aumentou ainda mais minha vontade de conhecer o Villarrica.

    Estarei lá agora no final de abril.

    Vou com minha família, entre eles meu pai de 74 anos que irá realizar o sonho da vida dele que é ver de perto um vulção.

    Obrigada pelas dicas.

  13. Estou com uma viagem marcarda para Pucon na segunda semana de abril de 2012. Gostaria de saber se alguém sabe alguma informação sobre o clima nessa época do ano? Quero fazer a subida do Vulcão. Em abril o vulcão também estará coberto de neve? Desde já agradeço.

  14. Ola,

    gostaria de saber que horas vocês saíram para o passeio e que horas chegaram, mais ou menos… para ter uma ideia da duração total, e não apenas da escalada!!

    respondam por e-mail, se puderem!!

    Abs,

    ALine

  15. Vou tentar fazer a subida em Agosto, mas pegaremos o vulcão com mta neve. Estou com medo de não conseguir. Conhece alguém que tenha ido nessa época?

  16. Vou tentar subir em agosto, mas vamos pegar o vulcão com mta neve. Espero que não seja mto mais difícil…estou com medo de não conseguir. Uma dúvida, essas jaquetas são da empresa ou de vocês? Queria saber se tenho que comprar roupa própria pra neve ou se eles emprestam.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: