19º dia – Em Puerto Tranquilo, Chile

Por Alex

Apesar do vento forte dormimos bem. Eu e o Kuroda dormimos numa barraca. O Toni e o Robert’s decidiram dormir no carro. Eu preciso dormir na horizontal. Fazia muito frio e foi bom para testar o saco de dormir megapower que havia comprado. Funcionou bem. Resistiu bem ao frio de mais ou menos 7 graus da madrugada com ventos de 70 km/h.

Ao acordar tivemos um belo cenário do lago General Carrera formado por degelo e os Andes ao fundo. Uma cena linda.

Ajeitamos nossas coisas no carro e fomos para o vilarejo. Lá tomamos nosso café da manhã e experimentei o bolo deles, que chamam de “queque”. Será uma derivação da palavra inglesa “cake”. É visível muitas influências inglesas no Chile. Desde nomes de rios, ruas, etc, como O’Higgins, Simpson, Robert, Baker , Grey e por aí vai.

Ventava demais. Era possível ver os jatos de areia e poeira que se levantavam do chão com a força do vento.

Puerto Tranquilo é conhecida pelas Capilla de Mármol, ou capelas de mármore. As “capelas” na realidade são formações rochosas nas pedras frutos de erosão fluvial. Com a força do vento e das águas formam-se grutas nas pedras criando belas esculturas.

Para ir até lá é obrigatório ir de lancha, não tem como chegar de carro ou a pé. Ao preço de CLP 4500 por pessoa (R$ 20) fomos fazer o passeio de uma hora e meia.

A emoção já começou na ida. Um vento que produzia ondas de um metro num lago!! O nosso advogado Roberts já começava a reclamar que não havíamos assinado nenhum seguro, nenhum termo de responsabilidade, etc. Já comecei a desenhar na minha mente a rota de fuga caso a lancha virasse. Mas com o frio e a água gelada acho que eu agüentaria mais que 15 minutos nadando até começar a sentir os sintomas da hipotermia. O piloto da lancha fazia diversas manobras para fugir das ondas e para não entrar água. Mal a gente sabia que a volta seria pior com o vento contra.

Chegamos às Capillas. Realmente as pedras esculpidas pela erosão fluvial são bonitas e bem raras de se ver. Algumas rochas parecem que irão cair a qualquer momento por causa da base fina que acaba se formando. Ao entrarmos de lancha nas grutas percebemos que as paredes são de mármore e parecem haver sido esculpidas a mão.

Na volta à terra firme mais ondas, desta vez maiores com 2 metros vindo contra nós. A proa empinava nas ondas e despencava nas águas com muita força. Fiquei do lado direito da lancha e boa parte da água que espirrava vinha em mim. Tentei me proteger inicialmente, mas depois desisti.

No final das contas, eu, Roberts e Toni pegamos uma gripe depois de algumas horas. Dor de garganta, rinite, febre leve e corpo dolorido. Foi a primeira vez que ficamos doentes nessa viagem. Para piorar pegamos muita estrada de rípio (cascalhos) e a poeira que inalamos agravou nosso quadro. Faz parte. Me dopei com Resfenol e apaguei no carro.

Anúncios

2 Respostas

  1. Surreal! o.O

  2. O cara de vermelho na 10° foto parece o Bruno e Marrone..

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: